O estudo de cases de sucesso é unanimidade dentro do meio empresarial. Além de analisar as ações tomadas por empresas, busca-se também conhecer a trajetória individual dos grandes líderes, de modo a identificar padrões de comportamento e extrair lições que possam impactar fortemente os mais diversos aspectos da vida.

Nesse momento tão delicado que vivemos, torna-se ainda mais relevante a busca por inspiração para tomar as decisões mais assertivas. Pensando nisso, a Revista Fortune realizou questionário com os 500 maiores CEOs da atualidade, buscando compreender melhor algumas das principais questões que pairam no ambiente empresarial global.

Logo de cara, a pergunta que suscita maior ansiedade: Quando a atividade econômica irá retornar aos patamares observados antes da pandemia? Apenas 14% confiam que nos recuperaremos já no começo do ano que vem. De acordo a maioria dos entrevistados, somente em 2022 (52%) ou até mesmo em 2023 (25%).

Refletindo uma das principais modificações advindas do “novo normal”, que irá depender amplamente da cultura remota, foi perguntado a respeito da volta dos colaboradores ao ambiente tradicional de trabalho de maneira total ou perto disso. Embora sejam feitos palpites, chama a atenção que 26% afirmaram: isso nunca ocorrerá, nunca mais teremos 90% dos funcionários atuando fisicamente na empresa. Para mais da metade, seguindo a mesma linha de raciocínio, jamais retornaremos aos patamares anteriores no que diz respeito a viagens corporativas.

Para 75% dos CEOs, a crise atual irá acelerar o processo de modernização e informatização de suas companhias. Além disso, é enxergada movimentação definitiva rumo à maior conscientização empresarial, valorizando-se mais fortemente os diferentes stakeholders. Mudanças que já eram estudadas nas últimas décadas serão, portanto, agilizadas e tendem a impactar um número muito maior de organizações.

Como não podia deixar de ser, as gigantes da tecnologia aparecem como principal recomendação de investimentos. São elas Amazon, Apple e Microsoft, que contam com a robustez e ímpeto inovador necessários para se manterem fortes. Já entre os gestores, os CEOs que mais geram admiração de seus pares são: Satya Nadella, líder da Microsoft; Doug McMillon, presidente da líder Walmart; e em primeiro lugar, citado por quase um quarto dos entrevistados, Jamie Dimon, head do JP Morgan Chase, maior banco americano.

 

 

Menu